quarta-feira, 26 de outubro de 2016

E se Trump não ganhar as eleições?



8 de Novembro aproxima-se a passos largos e o mundo está em suspenso perante a assustadora pergunta: E se Trump ganhar as eleições?

Pois invertamos um bocado a linha de raciocínio, de praticamente toda a gente, e tentemos perceber algo muito simples que, embora à vista de todos, ninguém ainda viu ou quer ver. Sabemos que o desgaste dos sistemas sociais e políticos provoca o aumento dos extremismos, é a história que o ensina. Todo o sistema democrático, desde a União Europeia até aos Estados Unidos da América, está profundamente desgastado associado às crises financeiras, à constante corrupção e à incapacidade do sistema capitalista de resolver certas questões. Perante um sistema desgastado, impõem-se soluções inovadoras ou alternativas. Se o sistema americano não estivesse profundamente desgastado seria impensável que Sanders, um feroz inimigo das grandes empresas e da especulação financeira, e Trump pudessem ter o impacto que tiveram e continuam a ter. Com Sanders riscado da equação cabe a Hillary Clinton o duro papel de travar Trump. Hillary vejam só! E como é que se pretende não desgastar mais um sistema quando a melhor solução que ele tem neste momento é a total representação do que ele é e tem sido? Hillary É a candidata do sistema, ainda por cima investigada por casos de corrupção, pouca ou nenhuma capacidade terá para identificar e combater os erros do sistema.

Ora bem, se esta Hillary ganha, vence o sistema e perpetuam-se os erros do passado por pelo menos mais 4 anos (em princípio). E se há coisa que a história nos ensina é que o extremismo não cai nas urnas. Hitler esperou pacientemente para chegar o poder, Mussolini marchou sobre Roma e recebeu-o de mão beijada, a própria FN de Le Pen em França não pára de crescer a cada sufrágio. Pegando aqui no exemplo Francês, quando Le Pen (pai) abandonou a política, a extrema direita ganhou uma nova face ainda mais perigosa: Le Pen (filha) conseguiu através de um fortíssimo jogo de demagogia projetar a FN de uma maneira ainda muito difícil de analisar pois não se sabe até onde irão. E agora? E se Trump não ganhar as eleições? Quem poderá substituí-lo?

Nas suas bases de apoio está uma população profundamente mal instruída que decidiu idolatrar uma character que representa, mais do que o sonho americano, a falta de limites para a grandeza. Nada pára Trump, nem qualquer valor moral, ético, absolutamente nada trava aquele homem de dizer e fazer o que quer. Trump é a perfeita manifestação da libertinagem para a estupidez humana. Contudo se este mesmo Trump cair nas urnas, não haja dúvidas que a tendência natural para o extremismo e esta base de apoio sem limites para a ignorância e estupidez tratarão de arranjar alguém ainda mais perigoso. A isso, o sistema assistirá impávido e sem capacidade de agir. Viva o Liberalismo!

O cenário é dramático, espero que tudo isto consiga ser evitado. Pensar que não há nenhum mal que pior não possa ser é assustador. Resta-nos rezar a Deus, Alá, Buda e a todos os santinhos para que Hillary Clinton saiba fazer o que tem de ser feito. Mas acreditamos mesmo nisso? Numa coisa Trump tem razão, na situação judicial em que ela está, devia concorrer ao sistema prisional e não à Casa Branca.
Que bom pode ocorrer destas eleições nos Estados Unidos da América? Já nem sei… Ambos os cenários parecem vir dar ao mesmo, o desgaste total do sistema.
Já que Sanders foi derrotado, Entre Hillary e Trump venha o diabo e escolha!

Sem comentários:

Publicar um comentário