sexta-feira, 17 de novembro de 2017

A Solidão dos Sábios I

Os Poemas sobre
A Solidão dos Sábios


I
Entrego-me aos braços do inexistente,
Procuro a solidão.
Recosto-me no leito do imaterial
No exílio de um lugar sem chão,
E pouso nesse invisível local
Longe da espécie humana
“Abençoada” pela ignorância,
Entrego-me à minha paz, sou o juiz
Querendo, por justiça, um mundo meu
Sensato e feliz.


In Psicadélico

Apresentação dia 26 de novembro
pelas 16 horas
no Templo da Poesia
em Oeiras


Sem comentários:

Publicar um comentário