sábado, 27 de outubro de 2018

Funeral de uma Nação

Do outro lado do oceano
Chegam novas de um país,
A glória do Império Romano
Renasce e cospe nos Direitos civis.

Tiranos ascendem ao plano mais alto,

As ruas choram o sangue da liberdade.
És a nação tomada por assalto
Por quem não tem o povo como prioridade.
As peças de um tabuleiro em movimento
Enquanto nossos gritos abafam
O relato do jogo,
Palavras leva-as o vento,
Facas jorram sangue, ateiam fogo,
E cedemos a César
O poder sobre nós próprios.

Meu império de mil jóias, 
Meu pulmão de mazela cancerígena,
Teu povo vive e morre explorado,
Tua terra não é, sequer, de seu indígena.
À noite propagam-se calúnias,
As boas intenções morrem na praia.
O esperma de Belzebu fecunda o civismo
Disfarçado de evangelho e catequismo,
Proclamam os líderes do alto das suas mansões
Para o povo explorado,
“Salvemos nossas almas
E cedamos a César
O poder dos nossos desígnios!”

Tomai todos e bebei 
O pão e o vinho do meu sangue e corpo,
Mas juro que não sei
Porque é pão que tomas e eles Porto,
Mas não, o inimigo é o gay e o aborto!
Tomai pão e circo, crentes da longa noite
E acreditai em César, filho de Deus
Seu ministro na terra será
Teu maior arrependimento antes do adeus.
A ordem mata o progresso,
Partem os negros, os hereges, os loucos,
As mulheres, os sãos, ficam-se os mudos,
César casa a morte e o silêncio
Entre espadas e escudos.
Hoje morri por pensar que estaria seguro
E cedi a César
O poder sobre o futuro.

Agora calem-se os homens 
E deixem falar quem
A liberdade, outrora, emudecia.
Que os deuses perdoem os seus crentes
E ressuscitem uma nação ao terceiro dia.

Sem comentários:

Publicar um comentário